As lojas-âncoras são um dos principais atrativos em um Shopping Center e uma ótima alternativa para diversificar seu marketplace, por isso é muito importante contar com este tipo de loja dentro de seu Tenant Mix.

Porém, problemas enfrentados pela economia do país, dificultaram a exploração das clássicas lojas-âncoras – relacionadas principalmente às grandes lojas de departamentos e hipermercados.

Por conta desse cenário, muitos shoppings têm apostado em meios alternativos de ancoragem, se reinventando e oferecendo oportunidade a novos players. Toda esta mudança estabeleceu novos critérios que definem uma loja como âncora dentro dos empreendimentos brasileiros.

Neste post, vamos falar um pouco mais sobre essa nova realidade. Confira!

Novos critérios que definem uma loja-âncora

É claro que as lojas-âncoras clássicas ainda têm a sua importância para o empreendimento, mas é preciso buscar adequar-se a essa realidade e compor um Mix do qual as novas âncoras façam parte.

Uma âncora não é mais definida somente pelo seu tamanho físico, potencial de atração de consumidores e faturamento. Os novos tipos de âncoras agregaram com características próprias, tornando-se os grandes responsáveis pela mudança de conceito no termo loja-âncora. Mudando os padrões e estabelecendo novos critérios que passaram a ser indispensáveis na concepção dos Shoppings:

  • Maior qualidade e grande diversidade dos produtos;
  • Melhor atendimento ao público;
  • Presença na mídia e melhor publicidade;
  • Maior demanda do público;
  • Capacidade de atrair consumidores de diferentes segmentos, inclusive os de maior renda.

Além disso, as novas âncoras ocupam um espaço menor que as âncoras clássicas e, principalmente, tem apresentado importante índice de fluxo de pessoas e superação em faturamento nos centros comerciais.

Os novos tipos de lojas-âncoras

Entre os principais modelos de novas lojas-âncora, podemos destacar os exemplos a seguir.

Megalojas

Megalojas fazem parte de grandes redes de setores específicos, como, brinquedos, vestuário, livraria, eletrônicos, artigos esportivos, entre outros.

Elas são consideradas o sucesso de ancoragem devido a maior qualidade de seus produtos, melhor atendimento e alta capacidade de atrair consumidores mais elitizados. Mesmo sendo normalmente menores em ABL (Área Bruta Locável) que as tradicionais lojas-âncoras, podem garantir um volume de venda tão bom quanto as maiores empresas do empreendimento.

Restaurantes

Outro segmento que está se tornando o queridinho dos Shoppings, é o da gastronomia. Os restaurantes da moda, espaços gourmet e casual dining tem se apresentado como ótima oportunidade de ancoragem para os Shoppings. Por conta do sucesso entre os consumidores, estes estabelecimentos agregam grande diversidade do público, geração de fluxo e alta fidelização de clientes.

O interesse em firmar parcerias com esses empreendimentos de gastronomia tem gerado boas negociações com a entrega de espaços de destaque dentro do Shopping, além de descontos para garantir a presença dos restaurantes.

Espaços de eventos

Diversos Shopping Centers já se deram conta do poder de atração de grandes eventos e estão investindo na criação de espaços especializados para a sua realização.

Parques temáticos de operação temporária e áreas para a realização de eventos diversos também funcionam como lojas-âncoras, permitindo não apenas a chamada do público, como também diversificação dos clientes e permanência. Estes espaços têm atraído famílias em busca de uma experiência completa e diferenciada de cinco a seis horas de duração, que inclui compras, alimentação e lazer.

As lojas-âncoras são fundamentais para desenvolver o Shopping Center e trazer cada vez mais consumidores para circular no ambiente e consumir produtos e serviços, levando ao aumento da receita e melhora dos resultados.

Ainda não acabou. Preparamos um post incrível para você entender como melhorar a sua gestão do Tenant Mix! Leia agora!

Escreva um comentário