Você já parou para pensar em como nossos hábitos de compra mudaram nos últimos 20 anos? Essa transformação vem sendo tão profunda que até um novo termo foi criado para ela: as Compras 4.0.

Neste post, vamos explicar um pouco sobre essa nova tendência, respondendo a várias dúvidas que podem surgir sobre o assunto. Confira:

Afinal, o que são as Compras 4.0?

Não existe um conceito fixo que explique o termo, mas uma série de mudanças no comportamento dos consumidores desde a popularização da internet e, com mais intensidade, com a chegada dos smartphones.

As Compras 4.0 são um modelo em que se prioriza muito mais a experiência e o relacionamento entre cliente e marca do que era possível no século passado. É a busca do público por mais significado.

Portanto, não apenas o produto em si tem importância na decisão de compra, mas toda a experiência por trás do ato de comprar: a pesquisa, a atração, o encantamento e até o ambiente em que esse processo está inserido.

Para que você consiga visualizar melhor esse conceito, podemos destrinchar que mudanças nos hábitos do público estão movendo as Compras 4.0. São alterações em todos os aspectos das nossas vidas, que também impactaram em nossa forma de consumir. Veja:

Busca por novas experiências

Com a tecnologia evoluindo e transformando nossas vidas com tanta velocidade, o consumidor de hoje se acostumou a ter suas expectativas superadas. Por isso, apenas pagar e receber um produto não é suficiente.

O consumidor quer ter uma experiência completa, estimular sentidos e se surpreender com a abordagem diferenciada de uma loja. Seja física ou digitalmente, o significado da compra, muitas vezes, tem mais valor até do que a qualidade do produto.

Busca constante por informações

Ironicamente, o atual consumidor que busca surpresas na experiência de compra não quer ser surpreendido na hora de finalizar o processo.

Ele se baseia em dados para tomar a decisão sobre um produto: compara preços, busca opiniões, analisa fotos e vídeos de detalhes etc. É impossível ter sucesso com um varejo, hoje, sem considerar que seu cliente está muito bem informado.

Desejo por um relacionamento mais próximo com as marcas

Mas, ainda assim, o cliente abre mão de um preço mais baixo ou de alguma vantagem quando ele encontra uma marca, uma loja ou um ambiente que investe em um relacionamento mais próximo.

São pessoas em busca de conexões emocionais, uma consequência da globalização viabilizada pela internet. Por um lado isso facilita a fidelização do público. Por outro, torna mais difícil converter clientes de outras marcas ou estabelecimentos.

De que forma o varejo vem se adaptando às Compras 4.0?

Mas a dificuldade de atrair novos clientes é apenas para quem não consegue se adaptar a esses novos hábitos. Se as compras estão mudando, quem vende também precisa mudar. Entenda como o varejo, principalmente lojas e shoppings, vem embarcando nessa tendência.

Estratégias baseadas em dados

Quando dissemos que o público está cada vez mais informado na hora de tomar suas decisões de compra, o varejo também tem que usar dados para suas decisões de venda.

Termos como Big Data, Analytics e Business Intelligence movem as empresas do futuro. É uma forma de usar todo esse volume de informações sobre o público para criar novas experiências para cada cliente.

Marketing personalizado

Isso mesmo: a busca para o futuro do varejo é utilizar tecnologias como Inteligência Artifical e Machine Learning para customizar o marketing e as vendas, de forma que cada cliente tenha sua própria experiência — única e encantadora.

Transformação digital

Tudo isso só é possível quando a empresa investe em transformação digital. Apenas com a inclusão de tecnologia na gestão estratégica de negócio (como os ERPs) é possível coletar, armazenar e utilizar tantos dados — para convertê-los em relacionamento e fidelização de cada cliente.

Quais serão as experiências proporcionadas pelos Shoppings no futuro?

Existem muitas pessoas já prontas para decretar o fim dos shopping centers, substituindo-os completamente pelo e-commerce.

Mas, na verdade, aqueles empreendimentos que se adaptarem a essa nova demanda do público terão uma vantagem incomparável no mercado. Eles terão a capacidade de unir tecnologia e experiência em um ambiente único. Entenda o que pode vir pela frente!

Integração entre ambiente físico e digital

Esse é o ponto inicial dessa transformação. Com o mundo no bolso de cada consumidor, o Shopping Center não é mais um estabelecimento fechado e completo em si mesmo como na época em que o modelo foi concebido.

Portanto, é a hora desses empreendimentos migrarem também para o mundo digital. A Realidade Virtual e a Realidade Aumentada são tecnologias que começam a ser utilizadas no varejo e podem significar uma nova era para as compras.

Imagine que o cliente possa visitar um Shopping de qualquer lugar do mundo. Ou que, dentro dele, possa utilizar o celular para receber informações sobre produtos, lojas e espaços apenas apontando a câmera para eles.

A tecnologia que os pessimistas apontam como o fim desse modelo de negócio pode ser exatamente o combustível para o seu sucesso.

Inteligência artificial

Além de usar a IA para conhecer e se adaptar aos seus consumidores, o Shopping Center pode oferecer a tecnologia como mais um canal de experiência dentro de seus corredores.

Os guias virtuais no futuro serão capazes de interpretar os dados de cada cliente e criar experiências baseadas em seu perfil: indicar lojas de que ele possa gostar, promoções de produto que ele compra com frequência etc.

Lojas conceito

Tudo isso tem a ver com uma alteração fundamental nas relações de compra: uma mudança de foco do produto para a experiência.

Se pensarmos em um futuro um pouco mais distante, podemos imaginar Shoppings sem docas e lojas sem estoque. Isso já vem sendo testado em lojas conceito, onde o cliente escolhe o produto fisicamente, mas paga virtualmente e o recebe em casa.

Quando essa alteração for definitiva, a forma de gerenciar um shopping será completamente diferente. Toda a parte de logística será deixada em segundo plano e os administradores poderão focar no que realmente atrai o público do futuro, incentiva mais vendas e define as compras 4.0: a busca por experiências significativas e uma conexão emocional com aquela marca, produto ou estabelecimento.

E por onde você pode começar para se adaptar a esse novo jeito de comprar e vender? A transformação digital é a resposta. Entender melhor como adotar um ERP é o primeiro passo. No artigo Por que usar um sistema único de gestão para Shopping Center, você descobrirá por que um sistema tecnológico de gestão é tão importante em shopping centers!

Escreva um comentário